Artigos

Uma série de artigos e notícias interessantes sobre saúde e cuidado

7 Fatores que compõem o custo dos serviços de Transporte Rodoviário

Características como peso, dimensões, material e condições especiais de armazenamento, como perecibilidade ou fragilidade, são alguns fatores que podem influenciar no valor dos serviços de logística, tanto no armazenamento quanto na movimentação dos bens. Alguns produtos exigem ainda condições especiais de monitoramento e segurança, ou necessitam de transporte exclusivo e regulamentado por lei, como no caso dos inflamáveis e remédios.

 

No geral, as pessoas tem a impressão de que quanto menor o espaço ocupado por um produto, menor o custo do transporte, seja ele apenas por frete ou até acondicionamento e armazenação. O fato é que dimensões e peso são sim dois dos fatores que influenciam muito na hora de pagar por serviços de logística, mas não são os únicos decisivos no cálculo do frete e armazenamento.

 

Leia mais sobre os principais tipos de cargas no modal rodoviário;

 

Representando sem dúvidas a maior parcela dos custos de serviços de logística, o transporte no Brasil é feito fundamentalmente através de rodovias, mesmo para longas distâncias. Isto é um dos fatores que fazem com que os custos, tanto variáveis quanto fixos, sejam elevados. A soma destes custos é chamada de frete, que é o valor pago a uma empresa para o transporte de uma carga.

 

Neste artigo vamos falar sobre 7 fatores que fazem parte do cálculo do valor final ao contratar uma empresa de transportes para serviços de frete.

 

1. Custos Fixos x Variáveis

 

O custo de basicamente todos os serviços e produtos possui componentes fixos e variáveis e no caso do frete não é diferente. Os fixos são normalmente taxas que incluem a manutenção da frota, salário dos funcionários, etc. Já os variáveis podem incluir combustíveis, depreciação da frota, troca e reposição de materiais como pneus, óleo e lubrificante.

 

2. CEP de Destino

 

A distância percorrida é outro fator fundamental no cálculo do valor do frete, sendo considerada referência no valor final. Quanto maior a quilometragem, mais alto o valor. Porém, não é apenas a distância em kms que compõe o valor final.

 

Na conta também entram fatores como características do destinatário (grau de dificuldade da entrega), áreas com alto risco de extravio, pedágios ou taxas e impostos específicos de uma região. No caso de carga fracionada, algumas taxas e pedágios podem ser divididas entre os contratantes.

 

3. Peso e Dimensões

 

É óbvio que as características dos produtos em relação ao espaço em que ocupam no transporte são determinantes para o valor do frete, principalmente quando se trata de fretes de cargas fracionadas, que são aquelas que são transportadas com produtos de outras empresas. Lembrando que o peso e dimensões levados em consideração podem ser bruto ou cubado, ou seja, com ou sem embalagem.

 

4. Produto Transportado

 

A carga ou encomenda por si só é um dos fatores que entram na soma do valor do frete. Dependendo do tipo de carga, existem taxas diferenciadas, bem como regulamentações para o transporte das mesmas, como no caso de remédios e inflamáveis. Alimentos perecíveis, cargas vivas ou produtos frágeis também são exemplos de produtos diferenciados que são considerados cargas especiais.

 

5. Valor do Produto

 

O valor da nota fiscal de um produto também entra no custo do frete, já que algumas transportadoras cobram também uma porcentagem em cima do valor da nota fiscal do mesmo. No caso de cargas valiosas ou produtos de alto valor, existem taxas adicionais que podem também aumentar o valor do frete.

 

6. Classificação da carga: fracionada ou completa.

 

Já falamos num artigo anterior sobre a diferença entre o frete fracionado ou completo. O frete fracionado é aquele onde o produto a ser transportado não preenche todo o espaço do veículo utilizado, e, consequentemente, sai com o custo proporcional ao espaço ocupado. Já no caso da carga completa, a empresa contratante do serviço de transporte paga por todo o frete, o que pode ser uma vantagem ou não, dependendo da frequência com que utiliza o serviço, tipo de produto e estoque.

 

7. TAXAS

 

O Brasil é conhecido por ser um dos países que mais cobra taxas em todos os tipos de serviços e produtos, seja através de impostos ou cobranças adicionais variáveis. Algumas taxas cobradas nos serviços de transportes são:

 

Taxa de Gerenciamento de Risco (GRIS): cobrada como percentual em cima do valor de nota fiscal da carga, como meio de prevenção à riscos e questões de segurança.

 

Ad Valorem: taxa cobrada por transportadoras para assegurar as cargas paradas.

 

Taxa de Restrição ao Trânsito (TRT): algumas áreas possuem restrição quanto à circulação de veículos pesados, como horários específicos ou especificações para carga e descarga.

Taxa de Coleta & Entrega: taxa que tem o objetivo de cobrir custos de deslocamento de retirada da carga pela transportadora, no caso de longas distâncias.

Existem outros componentes que são podem influenciar no valor do frete de cargas ou mesmo de uma pequena encomenda. Falaremos mais sobre isso em um próximo artigo.

Para orçamentos e informações sobre o transporte de cargas e encomendas entre em contato com a Fíngolo Logística & Transporte.

 

mais artigos relacionados